Ementa e Bibliografia das disciplinas optativas referentes à Área de Concentração II - “Defesa Nacional e Poder Político"


A) – Análise de Políticas Públicas em Defesa Nacional

Ementa.
 Políticas de Defesa Nacional: antecedentes históricos, transição corrente e perspectivas futuras. Relações entre o público e o privado em defesa nacional.Elaboração de Políticas de Defesa Nacional. Processo de formulação. Atores institucionais e agenda de debates. Processo Decisório no Executivo e Congresso. Relações entre políticas públicas, variáveis estruturais (interesses organizados, partidos, ideologias) e variáveis contextuais (PNB, urbanização, industrialização). Política Industrial e a Defesa. Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação para a Defesa. Articulação de Hélice Tríplice - Participação da indústria militar, Estado e Centros de Pesquisa. Participação da sociedade civil. Avaliação e estudos de impactos das políticas de defesa. Estudos e avaliações da PNEMEM, PDN 1 , PDN 2, EDN, PDP-Defesa. Programas e projetos de desenvolvimento de meios de defesa. 

Bibliografia

AGUILAR, S. L. C. “Políticas de Defesa e Orçamentos Militares no Cone Sul” in Defesa, Segurança Internacional e Forças Armadas, I Encontro da ABED 2007.
ALMEIDA, Carlos Wellington de. “Política de defesa no Brasil: considerações do ponto de vista das políticas públicas”. Opinião. Publica vol.16, n°.1, Campinas Junho. 2010.
ALSINA JR, João Paulo Soares. Política externa e política de defesa no Brasil: síntese imperfeita. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2006.
BARDACH, Eugene. Los Ocho Pasos para el Análisis de Políticas Públicas. México: Centro de Documentación y Docencia Económicas, 1998. Tradução de Guide to Policy Analysis (eight steps)
BAZERMAN, Max – Processo Decisório. 
Rio de Janeiro, Editora Campus, 2004.
DUNN, W. N., Public Policy AnalysisAn Introduction, New Jersey, Prentice Hall, 2003.
LINDBLOM, C. E. O Processo de Decisão Política. Brasília: Ed. Univ. de Brasília, 1981. 
FERNANDES, Luis & REBELO, Aldo (orgs). Política de Defesa para o século XXI. Brasília: Câmara dos Deputados, 2003. 
FIGUEIREDO, Eurico de Lima. Os Estudos Estratégicos. A defesa e a segurança internacional. In Renato Lessa (organizador) – Ciência Política. Anpocs, 2010.
MENEZES, Delano Teixeira. “A Necessidade de uma Política de Defesa”. Parcerias Estratégicas, Centro de Estudos Estratégicos da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. F, Vol. 1, n° 1. Brasília, DF, 1998.
MENEZES, Henrique Zeferino de; SCHERMA, Márcio Augusto; MIYAMOTO, Shiguenolli. “Política Externa e desenvolvimento: o Governo Geisel (1974 - 1978)”.Revista Política Hoje, Vol. 19, n°1, 2010.
OLIVEIRA, Eliézer Rizzo de. “Política de defesa nacional e as relações civis-militares”. Premissas (17-18), NEE / UNICAMOP, maio 1998. 
PROENÇA JÚNIOR, Domício e DINIZ, Eugênio. A Política de Defesa no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.
VAN METER, Donald e Van Horn, Carl (1975) –“The Policy Implementation Process: a conceptual framework” Administration and Society 6: 445-88.

B) – Aquisição de Sistemas de Defesa

Ementa. 
Sistemas de Defesa. Capacidades Operacionais e Sistemas de Defesa. O Processo de Aparelhamento de Sistemas de Defesa. Atores envolvidos e o seus papéis no processo. Aquisição de Sistemas de Defesa no contexto de gestão de capacidades operacionais e do ciclo de vida de sistemas. Especificação e avaliação de alternativas de Sistemas de Defesa. Processos chave e as qualificações, informações e estruturas organizacionais exigidas. Contexto socioeconômico. Contexto político nacional. Contexto internacional. Arcabouço regulatório. Parcerias Estratégicas. Mecanismos de Compensações  (off-sets).

Bibliografia

BRICK, E. S. “O Ministério da Defesa e o Processo de Aparelhamento de Sistemas Técnicos de Defesa”. Revista Brasileira de Estudos Estratégicos. Vol. 1 Num. 1, 2009.
DAU PROGRAM. Managers Tool Kit.
Fort Belvoir, USA,.DAU, 2011. 16ª Edição
DEFENSE ACQUISITION UNIVERSITY, Comparative International Acquisition, Fort Belvoir, DAU, 1999.
DEFENSE ENGINEERING GROUP. “The Defence Systems Engineering Handbook”. University College, Londres, 2002.
SALVADOR, GHELFI RAZA. “Sistemática Geral de Projeto de Força: Segurança, Relações Internacionais e Tecnologia” (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro. 2000.
SORENSON, David S. The Process and Politics of Defense Acquisition: a Reference Handbook. Versão digital para Kindle (Amazon). Westport, CT: Praeger Security International, 2009.
UK MOD. The Acquisition Handbook. 4ª Edição. 2002.
UK MOD. “Conquering Complexity Lessons for Defence Systems Acquisition”. TSO (The Stationery Office), 2005.
UK MOD. “Defence industrial strategy: Defence White paper”. TSO (The Stationery Office). 2005.
USA. Department of Defense. Defense Acquisition University.

C) – CT & I para Defesa

Ementa. 
Conceitos básicos sobre CT&I. Histórico da evolução da ciência e da tecnologia. A ciência moderna. As revoluções tecnológicas. O papel das guerras. A atual dinâmica da evolução científica e tecnológica e seus impactos sociais. CT&I e a concentração do poder. O cenário mundial. Noções de gestão da inovação e de previsão tecnológica. Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação para a Defesa. Articulação de Hélice Tríplice - Participação da indústria militar, Estado e Centros de Pesquisa. CT&I no Brasil. Empresas: comportamento, cooperação e resultados. Políticas de CT&I para a Defesa.

Bibliografia

BITZINGER, Richard A. The Modern Defense Industry. Santa Barbara, CA: Praeger Security International, 2009.
BRANDÃO, M.P., “Ciência, tecnologia, inovação e a defesa nacional, Parcerias Estratégicas”, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos/MCT, no 20, Parte 2, p.831 – 860, Junho, Brasília 2005).
BRICK, E.S. “Base Logística de Defesa”. V ENABED, Fortaleza, 2011.
HASIK, J. Arms and Innovation. Entrepreneurship and aliances in the 21st Century Defense Industry. The University of Chicago Press,Chicago, 2008.
LONGO, W.P., “Impactos do desenvolvimento científico e tecnológico na Defesa Nacional”, em Política, Ciência & Tecnologia e Defesa Nacional, Coleção UNIFA, p. 27-63, Rio de Janeiro, RJ, 2009.
LONGO, W.P., “Impactos do desenvolvimento científico e tecnológico na Defesa Nacional”, em ROCHA, Márcio (organizador) Política, Ciência & Tecnologia e Defesa Nacional, ,Rio de Janeiro, UNIFA, RJ, 2009.
ROCHA, I. “Prospecção tecnológica, Curso de especialização em agentes de inovação e difusão tecnológica”, ABIPTI/SEBRAE/CNPq, Brasília (1996).
O’HANLON, M.E. The Science of War. Defense Budgeting, Military Technology, Logistics and Combat Outcomes. Princeton University Press, New Jersey, USA, 2009.
SMITH, R. Military Economics.
The interaction of power and Money. Palgrave Macmillan, London, 2009.

D) - Cultura, mídia, defesa nacional e poder político.

Ementa.
 Sociedade, cultura e civilização: Adorno, Benjamin, Gramsci. A retórica do pós-guerra: a Paz sob a força. O caso do Brasil. Cultura de Defesa. O século XXI: Mudanças no mapa dos interesses econômicos, políticos e culturais: África e subcontinente Sul Americano. A nova arquitetura geopolítica e as convergências para o Oriente Médio. As mídias: uma revolução conceitual. A temática da Defesa no cotidiano brasileiro. Defesa na mídia durante o regime militar e após a democratização. A importância da criação do Ministério da Defesa e o surgimento de uma “nova” cultura” de defesa. Cultura, mídia, defesa nacional e poder político.

Bibliografia

ADORNO, T e HORKHEIMER, M. A Dialética do esclarecimento, Rio de Janeiro: Zahar, 1985. ALTHUSSER, L. Idéologie et appareils idéologique d`État, La Pensée, n.151, mai-jun,1970 
ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo, São Paulo, Cia das Letras, 2008 
BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro, Zahar, 1996 
CANCLINI, N. Consumidores e cidadãos, Rio de Janeiro, Ed. UFRJ,1999 
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo, Paz e Terra, 1999 
CASTRO, C. e LEIRNER, P. Antropologia dos militares: reflexões sobre a pesquisa de campo, Rio de Janeiro, FGV, 2009 
COHEN, B. The Press and Foreign Policy Princeton, Princeton University, 1969 
DELILLO, D. 1987. Ruído branco, São Paulo, Companhia das Letras, 1987. 
FIGUEIREDO, Marcus, et. alli. “Estratégias de Persuasão em Eleições Majoritárias” in Rubens Figueiredo (Org.) Marketing Político e Persuasão Eleitoral, São Paulo, Fundação Konrad Adenauer, 2000.
FEATHERSTONE, Mike.. Cultura Global. Editora Companhia das Letras. São Paulo, 1994.
FREYER, Hans. Teoria da Época Atual. Zahar Editores. Rio de Janeiro, 1965. 
GOFFMAN, E.. Frame Analysis: An Essay on the Organization of Experience, Boston, Northeastern University, 1986. 
GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura, Rio de Janeiro, Civilização Brasiliera, 1982 
HABERMAS, J. La technique et la Science comme “idéologie”, Paris, Gallimard, 1973 
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade, Rio de Janeiro, DP&A, 2006 
HOBSBAWN, E e HENGER, T. A invenção das tradições (org), São Paulo, Paz e Terra, 2008 
HUNTINGTON, Samuel P. O choque de civilizações. Ed. Objetivo. Rio de Janeiro, 1997. 
KATZ, E. e LAZARFELD, P. Personal influence, New York, The Free Press, 1965 
KUPER, A. Cultura: a visão dos antropólogos, Bauru, Edusc, 2002 
MEIROWITZ, J. No Sense of Place: The Impact of Electronic Media on Social Behavior. Oxford, Oxford University, 1985 
ORTIZ, R. Mundialização e cultura. São Paulo, Brasiliense,1994 
PAIVA, V (org). A atualidade da escola de Frankfurt, Rio de Janeiro, IEC, 1996 
Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, Vozes, 1995 
THOMPSON, J. B. O escândalo político: poder e visibilidade na era da mídia. Petrópolis, Vozes, 2002 

E) - Economia da Defesa

Ementa.
 Fundamentos teóricos da economia de defesa; a dimensão política da economia de defesa; gastos públicos militares e crescimento econômico. A tecnologia como fator econômico da defesa e segurança.

Bibliografia

BRIGAGÃO, Clóvis. O Mercado Da Segurança: Ensaios Sobre Economia Política de Defesa. 
Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984.
EARLE, Edward Mead. "Adam Smith, Alexander Hamilton, Friedrich List: The Economic Foundations of Military Power." Makers of Modern Strategy. Ed. Peter Paret. Princeton: Princeton Univerity Press, 1986.
KUSI, Newman Kwadwo. "Economic Growth and Defense Spending in Developing Countries." Journal of Conflict Resolution 38.1 (1994): 152-59.
LIM, David. "Another Look at Growth and Defense in Less Developed Countries." Economic Development and Cultural Change 31.2 (1983): 377-84.
MINTZ, Alex; HUANG, Chi. "Defense Expenditures, Economic Growth and the "Peace Dividend"." American Journal of Political Science 84.4 (1990): 1283-93.
MINTZ, Alex; STEVENSON, Randolph. "Defense Expenditure, Economic Growth, and the "Peace Dividend": A Longitudinal Analysis of 103 Countries." The Journal of Conflict Resolution 39.2 (1995): 283-305.
NEUMANN, Sigmund; HAGEN, Mark von. "Engels and Marx on Revolution, War, and the Army in Society." Makers of Modern Strategy. Ed. Peter Paret. Princeton: Princeton University Press, 1986.
RASLER, Jonathan; THOMPSON, William R. "Defense Burden, Capital Formation, and Economic Growth." Journal of Conflict Resolution 32.1 (1988): 61-86.
SANDLER, Todd; HARTLEY, Keith. The Economics of Defense. Cambridge: Cambridge University Press,, 1995.
_________. The Political Economy of Nato. Past, Present, and into the 21st Century.
Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Investigação sobre sua natureza e suas causas. Vol. 2. São Paulo: Nova Cultural, 1996.
STEWART, Douglas. "Economic Growth and the Defense Burden in Africa and Latin America: Simulations from a Dynamic Model." Economic Development and Cultural Change 40.1 (1991): 189-207.
TREDDENICK, John. "Defense and Economics: Some Issues for the Post Cold War World." 
The Canadian Journal of Economics 29.Special Issue (1996): 644-48. 


F) - Forças Armadas e Defesa Nacional

Ementa.
 Poder aéreo, marítimo e terrestre. Missões militares, tarefas, ameaças e cenários (TAC) e as capacidades operacionais requeridas. Relação entre as capacidades operacionais para as TAC e os sistemas de defesa. Eficácia das operações militares. Implicações de CT&I nos assuntos militares. Armas nucleares e defesa nacional. Guerra irregular e defesa nacional. Lei Internacional e operações militares. Convenção de Genebra e Tribunal Internacional de Justiça. Alianças militares. Organização do MD e das FFAA. Estrutura militar de guerra. Estruturas de comando e controle em tempo de paz e de conflitos. Doutrinas de emprego das FFAA brasileiras. Operações conjuntas. Alianças e/ou acordos militares envolvendo o Brasil.

Bibliografia

BRASIL, Política de Defesa Nacional, 1996.
BRASIL. Política de Defesa Nacional, 2005.
BRASIL, Estratégia Nacional de Defesa, 2008.
ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, Manual de Campanha C 124-1 - ESTRATÉGIA,. 3ª Edição, 2001.
ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO, Manual de Campanha C101-5, Estado-Maior e Ordens, 1º e 2º volumes, 2ª Edição, 2003.
MATTOS, Carlos Meira. A Geopolítica e a Teoria de Fronteiras, Rio de Janeiro: Bibliex, 1990.
PINTO, J.R. de Almeida; ROCHA, A.J. Ramalho da; SILVA, R. Doring Pinho da (organizadores). Reflexões sobre Defesa e Segurança: uma estratégia para o Brasil/ Pensamento Brasileiro sobre Defesa e Segurança. Brasília, Ministério da Defesa, / Secretaria de Estudos e de Cooperação, 2004. Volume 1.
PINTO, J.R. de Almeida; ROCHA, A.J. Ramalho da; SILVA, R. Doring Pinho da (organizadores). Reflexões sobre Defesa e Segurança: uma estratégia para o Brasil/ Pensamento Brasileiro sobre Defesa e Segurança. Brasília, Ministério da Defesa, / Secretaria de Estudos e de Cooperação, 2004. Volume 2.
WRIGHT, Quincy. Guerra, Rio de Janeiro: Bibliex, 1988. 

G) - Indústria da Defesa

Ementa -
 História da indústria de defesa no Brasil – dos Arsenais aos dias de hoje. Relações público-privadas na indústria de defesa brasileira. Transferência de tecnologia e indústria de defesa nacional. Comércio exterior e indústria de defesa. Razões da ascensão e declínio do setor no país. Construção automotora, aeronáutica e marítima no Brasil. Indústria de armas leves brasileira. Pesquisa nuclear no Brasil.

Bibliografia

ANDRADE, Roberto Pereira de. A construção aeronáutica no Brasil, 1910-1976. São Paulo: Editora Brasiliense, 1976.
BRIGAGÃO, Clóvis. O mercado da segurança: Ensaios sobre economia política da defesa.
Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1984.
CONCA, Ken. Manufacturing Insecurity: The Rise and Fall of Brazil's Military-Industrial Complex. 
Boulder, CO, Lynne Rienner Publishers, 1997.
COSTA, Nadin Ferreira da. “A industria brasileira de material de defesa: principais óbices”, in Revista da Escola Superior de Guerra, vol. 13, n.º 37, 1998.
COSTA, Thomaz Guedes da "A indústria de material bélico no Brasil," in A Defesa Nacional, Lisboa, 703, 1982.
COSTA FILHO, Edmilson. Política espacial brasileira: a política científica e tecnológica no setor aeroespacial brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2002.
DREYFUS, Pablo et al. “A indústria brasileira de armas leves e de pequeno porte: produção legal e comércio” in Rubem César Fernandes (org.). Brasil: as armas e as vítimas. Rio de Janeiro: 7 letras, 2005. 
FRANCO-JONES, Patrice. The Brazilian Defense Industry: A Case Study of Public-Private Collaboration. Boulder, Colorado: Westview Press, 1992.
MALHEIROS, Tania. Brasil, a bomba oculta: O programa nuclear brasileiro. Rio de Janeiro: Gryphus, 1993.
PINTO DE ALMEIDA, Rocha, RAMALHO, A. J. da Silva, DORING PINHO, R e (orgs.). As Forças Armadas e o desenvolvimento Científico e Tecnológico do País – Pensamento sobre Defesa e Segurança, vol. 3. Brasília: Ministério da Defesa, 2004.
ROSA, Luiz Pinguelli. A política nuclear e o caminho das armas atómicas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1985.
SARAIVA, José Drumond “Indústria brasileira de armamentos: reflexão sobre novos rumos” in Premissas, caderno 2, 1992.

H) - Logística de Defesa

Ementa.
 Poder, segurança e desenvolvimento econômico e social. Logística. Logística de Defesa. Base Industrial de Defesa. Sistema de CT&I para Defesa. Inteligência para Defesa. Mobilização para Defesa. Financiamento da Defesa. Marco Regulatório para Defesa. A Base Logística de Defesa Brasileira. Os paradigmas de conflitos e seu impacto na logística de defesa. Conflitos do século XXI, revolução nos assuntos militares, produtos de uso dual e a nova logística de defesa.

Bibliografia

BITZINGER, Richard A. The Modern Defense Industry. Santa Barbara, CA: Praeger Security International, 2009.
BRANDÃO, M.P., “Ciência, tecnologia, inovação e a defesa nacional, Parcerias Estratégicas”, Centro de Gestão e Estudos Estratégicos/MCT, no 20, Parte 2, p.831 – 860, Junho, Brasília 2005)
BRICK, E.S. “Base Logística de Defesa”. V ENABED, Fortaleza, 2011.
FONTANEL, J., Editor. L’effort economique de defense: France et Royaume-Uni.
SDESI, Grenoble, 1985.
GROPMAN, A.L. Mobilizing US Industry in WW II. Institute for National Strategic Studies. Defense University. USA, 1996.
HASIK, J. Arms and Innovation. Entrepreneurship and aliances in the 21st Century Defense Industry. The University of Chicago Press,Chicago, 2008.
LONGO, W.P., “Impactos do desenvolvimento científico e tecnológico na Defesa Nacional”, em Política, Ciência & Tecnologia e Defesa Nacional, Coleção UNIFA, p. 27-63, Rio de Janeiro, RJ, 2009.
LONGO, W.P., “Impactos do desenvolvimento científico e tecnológico na Defesa Nacional”, em ROCHA, Márcio (organizador) Política, Ciência & Tecnologia e Defesa Nacional, ,Rio de Janeiro, UNIFA, RJ, 2009.
MINISTÉRIO DA DEFESA E MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA “Concepção Estratégica: Ciência,Tecnologia e Inovação de Interesse da Defesa Nacional”, Brasília, MD/MCT, 2003.
O’HANLON, M.E. The Science of War. Defense Budgeting, Military Technology, Logistics and Combat Outcomes. New Jersey, USA, Princeton University Press, 2009.
ROCHA, I. “Prospecção tecnológica, Curso de especialização em agentes de inovação e difusão tecnológica”, ABIPTI/SEBRAE/CNPq, Brasília (1996).
SANDLER, T. E HARTLEY, K. The economics of defense. Cambridge Cambridge, University Press, 1995.
SMITH, D. The economics of militarism. London, Pluto Press, 1983.
SMITH, R. Military Economics. The interaction of power and Money. Palgrave Macmillan, London, 2009.
THORPE’S, G. C. Pure Logistics.The Science of War Preparation. 
National Defense University Press. 3rd Edition. 1986.

I) - Tópicos Especiais em Estudos Estratégicos II

Ementa. 
Disciplina regular disponibilizada para propostas de curso inovadoras, com conteúdo não enquadrado nas ementas existentes.

 

 

Editor-Chefe: Prof.Eurico de Lima Figueiredo
Editor-Executivo: Prof. Eduardo Heleno
Copyright © 2012 Portal do INEST.
Todos os direitos reservados.Site elaborado pela equipe WebPortais/NTI e INEST